Biografia - Coldplay

Coldplay é uma banda britânica de rock alternativo fundada em 1996 na Inglaterra pelo vocalista principal Chris Martin e o guitarrista Jonny Buckland no University College London. Depois de formar o Pectoralz, Guy Berryman se juntou ao grupo como baixista e eles mudaram o nome para Starfish.

Will Champion entrou para tocar bateria, como vocal de apoio e multi-instrumentista, completando assim, o grupo. O empresário Phil Harvey é muitas vezes considerado o quinto membro não oficial. A banda passou a se chamar "Coldplay" em 1998, antes de gravar e lançar três EPs: Safety em 1998, "Brothers & Sisters" como um single em 1999 e The Blue Room no mesmo ano.

Este último foi o primeiro lançamento da banda por uma grande gravadora, depois de assinar contrato com a Parlophone. Conseguiram fama mundial com o lançamento do single "Yellow" em 2000, seguido por seu álbum de estreia lançado no mesmo ano, Parachutes, que foi indicado para um Mercury Prize.

O segundo álbum da banda, A Rush of Blood to the Head (2002) foi lançado com várias críticas positivas, vencendo vários prêmios, incluindo o de Álbum do Ano pela NME, e vem sendo considerado o melhor álbum do Coldplay.

O seu álbum seguinte, X&Y foi inicialmente recebido com opiniões diversificadas da crítica após o seu lançamento em 2005. No entanto, o quarto álbum de estúdio da banda Viva la Vida or Death and All His Friends (2008), produzido por Brian Eno, foi recebido com comentários favoráveis da crítica e obteve várias indicações para prêmios, vencendo o Grammy.

Em 24 de outubro de 2011, a banda lançou seu quinto álbum de estúdio, intitulado Mylo Xyloto. Assim como seus antecessores, o álbum foi um sucesso comercial. A banda já ganhou vários prêmios da indústria musical ao longo de sua carreira, incluindo seis Brit Awards — vencendo o de Melhor Grupo Britânico três vezes, quatro MTV Video Music Awards, e sete Prêmios Grammy entre vinte indicações.

Como um dos recordistas de vendas de discos, o Coldplay já vendeu mais de 50 milhões de discos em todo o mundo. Coldplay vem apoiando ativamente várias causas sociais e políticas, como a campanha Make Trade Fair da Oxfam e Anistia Internacional.

O grupo também realizou vários projetos de caridade como Band Aid 20, Live 8, Sound Relief, Hope for Haiti Now: A Global Benefit for Earthquake Relief e o Teenage Cancer Trust.

 

Formação e primeiros anos (1996–1999)

Chris Martin e Jonny Buckland se encontraram pela primeira vez na semana de orientação na University College London (UCL) em setembro de 1996. A dupla passou o resto do ano universitário planejando formar uma banda até que por fim criaram um grupo chamado Pectoralz.

Guy Berryman, um colega de Martin e Buckland, se juntou ao grupo mais tarde. Em 1997, o grupo, que tinha se renomeado para Starfish, atuaria em shows para os promotores locais de clubes pequenos em Camden.

Martin também chamou seu amigo de longa data da escola, Phil Harvey, que estava estudando antiguidade clássica na Universidade de Oxford, para ser empresário da banda. Coldplay, desde então, aceitou Harvey como o quinto membro do grupo.

A formação da banda foi completada quando Will Champion se juntou para assumir as funções da percussão. Champion havia crescido tocando piano, guitarra, baixo, e tin whistle; ele aprendeu rapidamente a tocar bateria, apesar de não ter nenhuma experiência com o instrumento.

A banda finalmente se estabeleceu no nome "Coldplay" que foi sugerido por Tim Crompton, um estudante local, que estava usando o mesmo nome em seu grupo. Em 1997, Martin também conheceu o estudante de antiguidade clássica, Tim Rice-Oxley.

Durante um fim de semana em Virginia Water, mostraram um ao outro suas canções em um piano. Martin, concluiu que Rice-Oxley era muito talentoso, e pediu-lhe para ser o teclista do Coldplay, mas Rice-Oxley teve de recusar pois sua própria banda, Keane, já estava formada.

Dias depois, neste caso seria a forma de Keane e Coldplay manter a banda inalterada, deixando ambas as bandas como quartetos. Em 1998, a banda lançou 500 cópias do Safety EP. A maioria dos discos foram dados à gravadoras e amigos; apenas 50 cópias sobraram para serem vendidos ao público.

Em dezembro do mesmo ano, a banda assinou contrato com a gravadora independente Fierce Panda. O primeiro lançamento com a gravadora foi Brothers & Sisters EP, que haviam gravado rapidamente durante quatro dias em fevereiro de 1999.

Depois de concluir seus exames finais, Coldplay assinou contrato com a Parlophone para um contrato de cinco álbuns na primavera de 1999. Depois de fazer sua primeira aparição no Glastonbury, a banda entrou em estúdio para gravar seu terceiro EP intitulado The Blue Room.

Cinco mil exemplares foram disponibilizadas ao público em outubro, e o single "Bigger Stronger", foi lançado na BBC Radio 1 como um airplay. As sessões de gravação de The Blue Room foi tumultuosa. Martin demitiu Champion da banda, mas depois implorou-lhe para voltar, e para ser desculpado, os dois foram para um bar.

Eventualmente, a banda trabalhou as suas diferenças e pôs em prática um novo conjunto de regras para manter o grupo intacto. Inspirados por bandas como U2 e R.E.M., decidiram que iriam atuar na democracia, e que os lucros seriam partilhados igualmente.

Além disso, a banda determinou que estaria fora do grupo qualquer um que usasse drogas pesadas.

 

Parachutes (1999–2001)

A banda inicialmente previa gravar seu álbum de estreia no espaço de duas semanas. No entanto, turnês e outras performances ao vivo fez a gravação se espalhar entre setembro de 1999 e abril-maio de 2000.

O álbum foi gravado na Rockfield Studios, Matrix Studios, e Wessex Sound Studios, com produção de Ken Nelson, embora a maioria das faixas de Parachutes tenham sido gravadas na Parr Street Studios em Liverpool, onde acessaram três salas de estúdio.

O processo de mixagem em todas as canções para o álbum foi feito pelo engenheiro norte-americano Michael Brauer em Nova Iorque. Durante esse período, eles tocaram na Carling Tour, que se apresentaram em atos provenientes.

Depois de lançar três EPs sem nenhuma canção de sucesso, Coldplay conseguiu sua primeira canção top 40 com o primeiro single de Parachutes, "Shiver" lançado em março de 2000 aonde atingiu a posição de número 35 no Reino Unido.

Junho de 2000 foi um momento crucial na história do Coldplay: a banda embarcou em sua primeira turnê, incluindo uma performance no Festival de Glastonbury. A banda também lançou seu mais importante single, "Yellow".

Tendo a função como primeiro lançamento do Coldplay à alcançar o top 5, a canção atingiu a posição de número quatro nas paradas do Reino Unido e dando ao Coldplay conhecimento público. "Yellow" e "Shiver" foram inicialmente lançados como EPs na primavera de 2000.

O primeiro foi mais tarde lançada como single no Reino Unido em 26 de junho de 2000. Nos Estados Unidos, a canção foi lançada como o principal single do álbum de estreia, antes do lançamento do álbum, até então sem título.

Em outubro de 2000, a faixa foi enviado para as rádios alternativas dos Estados Unidos. Coldplay lançou seu primeiro álbum de estúdio, Parachutes, em 10 de julho de 2000 no Reino Unido através de sua gravadora, Parlophone.

O álbum estreou na primeira posição no Reino Unido. Foi lançado em 7 de novembro de 2000, através da gravadora Nettwerk, na América do Norte. O álbum foi disponibilizado em vários formatos desde seu lançamento inicial; tanto a Parlophone como a Nettwerk lançaram como um CD em 2000, e também foi lançado como um fita cassete pela nova gravadora nos Estados Unidos, Capitol em 2001.

No ano seguinte, a Parlophone lançou o álbum em formato de LP. A banda lançou um CD em edição limitada de "Trouble", o terceiro single do álbum, que apresenta um remix de "Yellow". Foi feita 1.000 cópias, e foi emitido apenas para os fãs e jornalistas. "Yellow" e "Trouble" tiveram um desempenho regular nas rádios do Reino Unido e dos EUA.

Parachutes foi indicado para um Mercury Music Prize em setembro de 2000. Tendo encontrado sucesso na Europa, a banda decidiu então se focar na América do Norte, lançando o álbum por lá em novembro de 2000 e começando a U.S. Club Tour em fevereiro de 2001.

Apesar de Parachutes começar devagar com as suas vendas nos Estados Unidos, o álbum recebeu finalmente a certificação de platina dupla no país. O álbum foi extremamente bem recebido e venceu como Melhor Álbum de Música Alternativa no Grammy Awards de 2002.

Chris Martin afirmou após o lançamento de Parachutes que o sucesso do álbum foi destinado a atingir o status da banda como a

"maior e melhor banda do mundo".

 

A Rush of Blood to the Head (2001–2004)

Depois do sucesso de Parachutes, Coldplay volta para o estúdio em setembro de 2001 para começar a trabalhar em seu segundo álbum A Rush of Blood to the Head, mais uma vez com produção de Ken Nelson.

A banda começou a gravar o álbum em Londres, uma semana após os Ataques de 11 de setembro, nos Estados Unidos. A banda nunca esteve em Londres antes, por isso eles tinham dificuldade em se concentrar.

Eles decidiram se mudar para Liverpool, onde eles gravaram algumas das canções que estariam presente em Parachutes. Uma vez lá, o vocalista Chris Martin disse que ficou obcecado com a gravação. "In My Place" foi a primeira canção gravada para o álbum.

A banda o lançou como o primeiro single do álbum, porque foi a faixa que fez eles desejarem gravar um segundo álbum, depois de um "estranho período de não saber realmente o que estávamos fazendo" três meses após o sucesso de Parachutes.

De acordo com Martin,

"uma coisa nos manteve: a gravação de 'In My Place'. Em seguida, outras canções começaram a vir".

A banda escreveu mais de 20 canções para o álbum. Alguns de seus novos materiais, incluindo "In My Place" e "Animals", foram tocadas ao vivo, enquanto a banda ainda estava na turnê de divulgação de Parachutes.

O título do álbum foi revelada através de um post no site oficial da banda. O álbum foi lançado em agosto de 2002 e gerou vários singles populares, incluindo "In My Place", "Clocks" e a balada "The Scientist". Este último foi inspirado pela canção "All Things Must Pass" de George Harrison, lançado em 1970.

O Coldplay ficou em turnê de junho de 2002 a setembro de 2003 com a A Rush of Blood to the Head Tour. Eles visitaram cinco continentes, incluindo datas no Festival de Glastonbury, V2003 e Rock Werchter. Muitos concertos de showcased disseram que a iluminação elaborada e as telas individualizadas lembravam a Elevation Tour do U2 e Fragility Tour do Nine Inch Nails.

Durante o alargo da turnê, gravaram um CD e DVD ao vivo, Live 2003, gravado no Hordern Pavilion em Sydney. Em dezembro de 2003, os leitores da Rolling Stone escolheram o Coldplay como o melhor artista e melhor banda do ano.

Naquela época, a banda fez um cover da canção de 1983 dos The Pretenders, 2000 Miles (que foi disponibilizado para download em seu site oficial). "2000 Miles" foi o mais vendido digitalmente no Reino Unido naquele ano, com rendimentos das vendas doados para Future Forests e Stop Handgun Violence.

A Rush of Blood to the Head venceu o Prêmio Grammy para Melhor Álbum de Música Alternativa no Grammy Awards de 2003. E no Grammy Awards de 2004, Coldplay venceu na categoria Gravação do Ano por seu single "Clocks".

 

X&Y (2004–2006)

Coldplay passou a maior parte de 2004 fora dos holofotes, tendo um intervalo na turnê para a gravação de seu terceiro álbum. X&Y foi lançado em junho de 2005 no Reino Unido e na Europa. Esta nova data de lançamento foi adiada, colocando o álbum de volta para o próximo ano fiscal, na verdade, fazendo com que ações da EMI fossem à queda.

Ele se tornou o álbum mais vendido de 2005 com vendas mundiais de 8,3 milhões de cópias. O primeiro single, "Speed of Sound", fez sua estreia nas rádios e no armazenamento de músicas online em 18 de abril e foi lançado como um CD em 23 de maio de 2005.

O álbum estreou na posição de número um em 20 países em todo o mundo, e foi o terceiro álbum mais vendido em menos tempo na história das paradas britânicas. Dois outros singles foram lançados nesse ano: "Fix You" em setembro e "Talk" em dezembro.

A reação da crítica de X&Y foi menos entusiasta do que seu antecessor, o crítico do New York Times Jon Pareles descreve Coldplay como

"a banda mais insuportável da década"

enquanto que a Pitchfork Media deu uma nota "4.9/10.0" e chamou-lhe

"...suave mas nunca ultrajante, escutável mas nunca memorável".

Comparações entre Coldplay e U2 se tornou cada vez mais comum, embora a reação da crítica ao álbum fosse ainda amplamente positivo. Chris Martin revelou mais tarde que os comentários negativos fizeram ele se sentir "liberado".

De junho de 2005 a julho de 2006, Coldplay foi em sua Twisted Logic Tour, que incluiu datas dos festivais como Coachella, Festival da Ilha de Wight, Glastonbury e o Austin City Limits Music Festival. Em julho de 2005, a banda apareceu no Live 8 em Hyde Park, onde eles tocaram uma versão da canção "Bitter Sweet Symphony" dos The Verve com Richard Ashcroft nos vocais.

Em setembro, o Coldplay gravou uma nova versão de "How You See the World" com letras de músicas retrabalhadas por War Child para o álbum de caridade Help!: A Day in the Life. Em fevereiro de 2006, Coldplay ganhou os prêmios de Melhor Álbum e Melhor Single no Brit Awards.

Dois singles foram lançados em 2006, "The Hardest Part" e "What If". O sexto e último single, "White Shadows" foi lançado no México em junho de 2007.

 

Viva la Vida or Death and All His Friends (2006–2009)

Em outubro de 2006, Coldplay começou a trabalhar no seu quarto álbum de estúdio, Viva la Vida or Death and All His Friends, com o produtor Brian Eno. Fazendo uma pausa na gravação, a banda fez uma turnê na América Latina no início de 2007, performando no Chile, Argentina, Brasil e México.

Depois de gravar em igrejas e outros locais da América Latina e da Espanha, durante sua turnê, a banda disse que o álbum provavelmente refletiria influências hispânicas. O grupo passou o resto do ano gravando com Eno.

Martin descreveu Viva la Vida como uma nova direção para Coldplay: a mudança em relação a seus três últimos álbuns, que haviam sido referidos como "trilogia". Ele disse que o álbum contou com menos falsetes o que permitiu menor registro em sua voz para assim ter precedência.

Algumas canções, como "Violet Hill", contêm distorções de guitarras riffs e bluesy undertones. "Violet Hill" foi confirmado como o primeiro single, com uma data de lançamento para as rádios em 29 de abril de 2008. Após o primeiro anúncio, foi obtido gratuitamente no site do Coldplay, a partir de 12:15pm por uma semana (alcançando dois milhões de downloads), até que se tornou comercialmente disponível para download em 6 de maio.

"Violet Hill" entrou no top 10 no Reino Unido e no top 40 dos Estados Unidos, atingindo boas posições ao redor do mundo. A faixa-título, "Viva la Vida", também foi lançado exclusivamente no iTunes. Tornou-se o primeiro single número um da banda na Hot 100 dos Estados Unidos, e também seu primeiro número um no Reino Unido, baseado em vendas digitais.

Após seu lançamento, Viva la Vida or Death and All His Friends liderou a parada de álbuns do Reino Unido, apesar de ter vindo no mercado apenas três dias antes. Nesse tempo, vendeu 302.000 cópias; a BBC chamou de

"um dos registros mais vendido da história no Reino Unido".

Até o final de junho, havia estabelecido um novo recorde para o álbum mais baixado de todos os tempos. Em outubro de 2008, o Coldplay ganhou dois Q Awards de Melhor Álbum por Viva la Vida or Death and All His Friends e Melhor Artista no Mundo Atualmente.

A banda seguiu Viva la Vida or Death and All His Friends com o Prospekt's March EP, que foi lançado em 21 de novembro de 2008. O EP apresenta faixas das sessões de Viva la Vida or Death and All His Friends e, por estar disponível no próprio, foi divulgado como um disco bônus com edições posteriores de Viva la Vida.

A canção "Life in Technicolor II" foi lançado como single em 9 de fevereiro de 2009. O Coldplay começou a Viva la Vida Tour com um show gratuito na Brixton Academy em Londres. Este foi seguido, dois dias depois por uma performance de 45 minutos que foi transmitido ao vivo a partir do outside BBC Television Centre.

"Lost!" se tornou o terceiro single do álbum, que apresenta uma nova versão com Jay-Z. Coldplay realizou o primeiro set em 14 de março de 2009 no Sound Relief em Sydney Cricket Ground, e, em seguida, tocou um concerto esgotado mais tarde na mesma noite.

Em 4 de dezembro de 2008, Joe Satriani entrou com um processo de violação de direitos autorais contra o Coldplay na United States District Court for the Central District of California. Satriani afirma que a canção "Viva la Vida" do Coldplay inclui "trechos primitivos" presente em sua canção "If I Could Fly" do seu álbum de 2004, Is There Love in Space?.

A canção do Coldplay em questão recebeu dois Prêmios Grammy incluindo o de Canção do Ano. A banda negou a alegação. Um acordo não especificado foi finalmente alcançado entre ambos. Em 2009, o Coldplay foi indicado para quatro BRIT Awards: Melhor Grupo Britânico, Melhor Concerto Britânico, Melhor Single Britânico ("Viva la Vida") e Melhor Álbum Britânico (Viva la Vida or Death and All His Friends).

No 51º Grammy Awards em fevereiro de 2009, Coldplay ganhou três Prêmios Grammy nas categorias Canção do Ano por "Viva la Vida", Melhor Álbum de Rock por Viva la Vida or Death and All His Friends, e Melhor Performance Pop por um Duo ou Grupo com Vocais por "Viva la Vida".

Em 15 de maio de 2009, o Coldplay lançou um álbum ao vivo, intitulado LeftRightLeftRightLeft que foi gravado em diversos shows durante a turnê. LeftRightLeftRightLeft foi dada gratuitamente aos fãs durante os show da Viva la Vida Tour.

Também está disponível para um download gratuito no site oficial da banda.

 

Mylo Xyloto (2009–2011)

Após a Viva la Vida Tour, o Coldplay anunciou uma turnê na América Latina, que teve acontecimento entre fevereiro e março de 2010, aonde visitaram o México, Argentina, Brasil e Colômbia. Em outubro de 2009, o Coldplay venceu o prêmio de Canção do Ano por "Viva la Vida" no American Society of Composers, Authors and Publishers (ASCAP) em Londres.

A banda lançou somente um single em 2010; "Christmas Lights", em dezembro. A banda, estabelecida na direção do rock industrial/electro-pop terminaram de gravar o quinto álbum em meados de 2011.

Quando Martin e Champion foram entrevistados pela BBC Radio e foram questionados sobre os temas do quinto álbum, Martin respondeu

"É sobre o amor, vício, TOC, fuga e trabalhar para alguém que você não gosta".

Quando perguntado se o quinto álbum seria ou não lançado no verão, Martin e Champion disseram que havia muito trabalho a ser feito antes de lançá-lo. Eles confirmaram várias aparições em festivais antes de sua data de lançamento, especialmente em festivais na qual foram as atrações principais, como Rock Werchter, Festival de Glastonbury, T in the Park e Lollapalooza.

Em uma entrevista em 13 de janeiro de 2011, o Coldplay mencionou duas novas canções que estariam incluída em seu quinto álbum de estúdio, "Princess of China" e "Every Teardrop Is a Waterfall". Em outra entrevista, em fevereiro, o presidente da Parlophone, Miles Leonard, disse ao HitQuarters que a banda ainda estava no estúdio trabalhando no álbum e que esperava que a versão final fosse lançada "até outono deste ano".

Em 31 de maio de 2011, o Coldplay anunciou que "Every Teardrop Is a Waterfall" seria o primeiro single do álbum. Foi lançado em 3 de junho do mesmo ano. A banda também apresentou seis novas canções em festivais durante o verão de 2011, "Charlie Brown", "Hurts Like Heaven", "Us Against the World", "Princess of China", "Major Minus" e "Mylo Xyloto", um instrumental de apenas 42 segundos.

Em 12 de agosto de 2011, anunciou através de seu site oficial que Mylo Xyloto é o título do novo álbum, e que seria lançado em 24 de outubro de 2011. O último single lançado foi "Paradise". O álbum foi um sucesso comercial.

No Reino Unido, vendeu pelo menos 122 mil cópias em apenas três dias de acordo com a The Official Charts Company. O CD acabou estreando em primeiro lugar na UK Albums Chart com um total de 208 mil unidades vendidas em uma semana, dando a banda seu quinto álbum número um naquele país.

Mylo Xyloto estreou também em primeiro lugar na Billboard 200, a principal parada musical dos Estados Unidos, com um total de 447 mil cópias vendidas na semana de estreia por lá.

 

Estilo Musical

O estilo musical do Coldplay foi definido como rock alternativo, chegando a ser comparado a Radiohead e Oasis. O vocalista e compositor Chris Martin, rotulou a música da banda como "rock calcário". As músicas da banda tem sido chamado de "mediativo" e "azul romântico"; mas "[reflete] em suas emoções", e Martin "interminavelmente examina o[s] seus sentimentos."

O jogo de palavras líricas de Martin foi chamado de feminista, semelhante à Andrew Montgomery do Geneva. O tom do primeiro álbum de estúdio da banda, Parachutes, era descrito como pop melódico com

"distorcidos riffs de guitarra e percussão swishing".

Também foi descrito como

"elegantemente escuro e artisticamente abrasivo".

Em uma revisão de A Rush of Blood to the Head as canções foram consideradas por conter "melodias e um desgosto" e que eles tinham uma "nova confiança". As músicas de X&Y foram consideradas

"ruminações sobre dúvidas de Martin, medos, esperanças e amores".

Coldplay reconheceu a banda de rock alternativo escocesa, Travis, como uma grande influência em seu material anterior. Em Viva la Vida or Death and All His Friends, o estilo do grupo mudou para art rock, experimentando diferentes instrumentos, incluindo orquestras, pianos honky-tonk, etc.

Seu quinto álbum pode ter um estilo mais acústico, mas mantendo alguns estilos experimentais do álbum anterior.

 

Ativismo e Endossos Comerciais

Apesar da popularidade mundial do Coldplay, a banda manteve-se como protetora de suas músicas para não serem usadas na mídia, recusando-se a sua utilização para endossos de produtos. No passado, o Coldplay recusou vários contratos milionários da Gatorade, Diet Coke e Gap, que queriam usar as canções "Yellow", "Trouble" e "Don't Panic", respectivamente.

De acordo com o vocalista e pianista Martin

"nós não seríamos capazes de viver com nós mesmos se vendêssemos os significados das músicas que gostamos."

A canção "Viva la Vida" foi apresentada no comercial da iTunes Store, publicando a sua disponibilidade exclusiva do single como um download digital no iTunes. Coldplay apoia a Anistia Internacional. Martin é considerado uma das celebridades de maior visibilidade que defendem o comércio justo, apoiando a Oxfam com a contínua campanha Make Trade Fair.

Ele esteve em viagens com a Oxfam para avaliar as condições, tem aparecido em sua campanha publicitária e é conhecido por usar a "Make Trade Fair" durante aparições públicas da banda (incluindo concertos do Coldplay).

Durante os primeiros anos, o Coldplay se tornou amplamente conhecido nos meios de comunicação por doar 10% dos lucros da banda para a caridade, o que eles continuam a fazer até hoje. O baixista Guy Berryman disse

"Você pode tornar as pessoas conscientes sobre questões sociais. Não é muito esforço para nós fazer isso, mas se isso pode ajudar as pessoas, então nós queremos ajudá-las."

A banda também pede que todos os donativos destinados a eles sejam doados para a caridade, de acordo com uma resposta na seção FAQ do site do Coldplay. Martin também protestou contra a Invasão do Iraque em 2003 e aprovou os candidatos Democrata à presidência dos Estados Unidos, John Kerry e Barack Obama, em 2004 e 2008 respectivamente.

Em junho de 2009, o Coldplay começou a apoiar a Meat Free Monday, uma campanha de alimentos criada por Paul McCartney que tenta ajudar a parar as mudanças climáticas, incentivando as pessoas a ter pelo menos um dia sem carne por semana.

De 17 e 31 de dezembro de 2009, o Coldplay leiloou uma quantidade de objetos significativos da banda, incluindo uma de suas primeiras guitarras, no eBay. As doações foram para a Kids Company, uma instituição de caridade que ajuda crianças e jovens vulneráveis em Londres.

Um mês depois, em janeiro de 2010, o Coldplay tocou uma versão ligeiramente modificada de "A Message", intitulada "A Message 2010", na maratona especial Hope For Haiti Now, arrecadando dinheiro para as vítimas do terremoto no Haiti em 2010.

 

Membros da Banda

Chris Martin

(vocal, guitarra, teclados e piano)

Guy Berryman

(baixo)

   

Jon Buckland

(guitarra)

Will Champion

(bateria)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...