Tudo que você precisa saber sobre Anticoncepcionais

A pílula anticoncepcional há anos faz parte da vida das mulheres possibilitando a elas escolherem quando e quantos filhos desejam ter. Embora seja o método contraceptivo mais comum e mais utilizado, muitas dúvidas ainda se têm a respeito do uso das pílulas anticoncepcionais. Selecionamos algumas dúvidas que passam pela a cabeça das mulheres e vamos tentar esclarece-las neste post. Confira!

 

Tomar anticoncepcional para reduzir ou suspender a menstruação

Se o anticoncepcional não fosse um medicamento receitado pelo médico, não seria necessário tomar alguns cuidados  com o seu uso. Para quem não faz uso desse medicamento, pode ser um tanto arriscado ir se automedicando dessa forma. Embora muitas mulheres aleguem que fazem isso devido a irregularidade menstrual, seria mais sensato ir ao médico, e receber um diagnostico preciso de sua situação, e principalmente, o medicamento mais adequado para você.

Interromper a menstruação não é algo adequado a se fazer, por que ela é necessária. Tomar um anticoncepcional que não bate com a sua taxa de hormônios de nada resolverá, pois você estará tomando um medicamento com efeitos colaterais, e apenas esses, pois o efeito de interromper a menstruação ou diminuir o tempo dela não acontecerá. Por isso é muito importante antes de se tomar qualquer que seja o medicamento, ter uma orientação médica, pois os mais fracos dos anticoncepcionais ainda assim tem seus efeitos colaterais que podem causar a você muitos transtornos. Embora não seja aconselhável, pode ser feito, mas no mínimo, é necessária uma orientação médica.

 

Medicamentos que cortam o efeito do anticoncepcional

Uma delas é justamente o uso dos anticoncepcionais concomitantes a outros medicamentos, como o antibiótico, por exemplo.

Realmente essa questão merece atenção, pois de acordo com especialistas no assunto, alguns medicamentos podem sim comprometer a eficácia da pílula, por isso há relatos de muitas mulheres que engravidaram mesmo fazendo uso do anticoncepcional, por isso ao ser medicada é fundamental relatar ao médico que faz uso de anticoncepcionais, para que este possa orientá-la ou receitar um outro medicamento que não comprometa a eficácia da pílula.


Conheça alguns medicamentos que podem interferir no efeito da pílula:

Antibióticos: Eles cortam o efeito da pílula, por isso caso necessite fazer uso de uns desses medicamentos como a doxicilina, eritromicina, metrodidazol, penicilina G e V, ciclacilin, rifampicina, ampicilina, ácido clavulânuo, oxacilina, amoxacilina, tetraciclina, cloranfenicol, dapsona, entre outros, é importante junto ao uso da pílula utilizar outros métodos contraceptivos, como a camisinha, que além de prevenir  a gravidez ainda atua na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

Antiepiléticos e anticonvulsivantes: Como oxcarbazepina, topiramato, difenil-hidantoina, primidona, fenobarbital, fenitoina, carbamazepina, interferem na eficácia da pílula em nosso organismo, esteja atenta!

Diurético: Como o espironolactona também compromete a eficácia.

Antifúngicos: O griseofulvina é o único conhecido capaz de comprometer a eficácia do anticoncepcional.

Antiretrovirais: Como efavirens, nelfinavir, ritonavir, nevirapina, que normalmente são utilizados em tratamentos de combate a Aids, por conter muita concentração de estrogênio, reduzem a eficácia da pílula.

Importante ressaltar que a ingestão excessiva de BEBIDAS ALCÓOLICAS, assim como casos de DIARRÉIA ou VÔMITO após a ingestão da pílula compromete totalmente sua eficácia. Além dos medicamentos que cortam o efeito da pílula em nosso organismo é preciso atenção ao uso de certas ervas como a ERVA de SÃO JOÃO que embora não seja aconselhada, muitos a usam para combater e aliviar os sintomas da depressão, porém corta totalmente o efeito dos anticoncepcionais.

Agora é só estar atenta, caso necessite fazer uso de um desses medicamentos citados não deixe de se prevenir com outros métodos contraceptivos, pelo menos enquanto durar o tratamento.

 

Tomar anticoncepcional direto faz mal?

Para as que irão iniciar o uso do anticoncepcional pela primeira vez, deve-se começar a tomar a pílula no primeiro dia do ciclo menstrual, as demais pílulas devem ser tomadas todos os dias, sempre no mesmo horário. Caso esqueça-se de tomar um comprimido, este pode ser tomado assim que se lembrar ou em até doze horas sem que haja um total comprometimento quanto a sua eficácia, agora se nunca toma nos horários certos ou se esqueceu de tomar a pílula por um ou mais dias, deve-se suspender o uso e esperar até a próxima menstruação para iniciar novamente o uso correto dos anticoncepcionais, lembrando que sua eficácia quanto à gravidez nesse caso é totalmente comprometida.

Os anticoncepcionais podem ser encontrados em cartelas contendo de 21 a 28 comprimidos, sendo que os de 28 são de uso contínuo, ou seja, sem interrupções. Já as cartelas com 21 comprimidos deve-se dar uma pausa de uma semana ao terminar a cartela, nesse período normalmente ocorre à menstruação, devendo recomeçar uma nova cartela no oitavo dia, independente se está menstruada ou não.

Quanto à dúvida se é correto tomar anticoncepcional de forma contínua, os especialistas afirmam que não há problema algum, podendo emendar quantas cartelas quiser sem comprometer a eficácia do método e sem que isso afete a saúde, o único inconveniente apontado é que anticoncepcional sem intervalos pode ocasionar sangramentos fora do período menstrual, podem durar dias e desregular todo o ciclo menstrual.

Para as que fazem uso do anticoncepcional somente pela intenção de não menstruarem, o uso dos anticoncepcionais torna-se desnecessário, pois para essas existem outros métodos de longa duração, como os implantes hormonais, por exemplo, que chegam a durar até três anos, ajudando a suspender a menstruação.

Porém é importante ressaltar que para iniciar qualquer método seja contraceptivo ou não uma avaliação médica é fundamental, pois além de esclarecer dúvidas existe a orientação quanto a determinados métodos contraceptivos, pois assim como há diversos tipos de mulheres existe também diversos tipos de pílulas, sendo que para cada mulher existe um método mais apropriado.

Lembre-se que o segredo para evitar a gravidez está na forma regular de se tomar a pílula, agindo assim você estará protegida durante todo mês, inclusive durante a pausa, porém é bom frisar que a pílula impede a gravidez, mas não nos livra de doenças sexualmente transmissíveis, por isso é importante usar camisinha sempre.

 

O uso de anticoncepcional após a gravidez

O uso de anticoncepcional após a gravidez é normal e até mesmo necessário para prevenir  uma possível segunda gravidez, porém, para a mulher que está em período de amamentação, é necessário as pílulas manipuladas, que não atrapalham na produção de leite e na amamentação. Essas pílulas são elaboradas somente com progestógeno, que não interfere em nada na amamentação. O uso de anticoncepcional após a gravidez pode ser reiniciado após 40 dias do nascimento do bebê, onde se correm menos riscos de ter algum problema relacionado ao aleitamento. Não há necessidade de tomar anticoncepcional antes dos 40 dias, pois não tem como ter relações sexuais nesse período, onde o fluxo de sangue é intenso. Mas antes de mais nada, é preciso voltar ao médico para ver como vai a sua saúde, a sua saúde intima, e depois sim, é que será escolhido qual é o melhor método anticoncepcional a ser usado, afinal há muitas variações hormonais que ocorrem durante a gravidez, talvez seja necessário até trocar o uso do anticoncepcional por outro mais forte, ou mais fraco, depende da situação que seu organismo se encontra. Por isso, não deixe de ir ao médico para fazer a escolha de seu anticoncepcional, não se automedique e não tome qualquer anticoncepcional antes do tempo indicado, pois pode ser prejudicial para o seu bebê ter algum tipo de problema na amamentação.

 

Seus efeitos colaterais

Os principais efeitos colaterais das pílulas são: sangramento, ganho de peso e amenorréia. Mas, é claro que cada organismo responde de um jeito a este medicamento, pois muitas mulheres emagrecem quando começam a tomar a pílula anticoncepcional. A pílula ajuda na sexualidade, pois as mulheres têm a relação sexual sem preocupação de gravidez, em algumas mulheres aumentam a depressão, leucorréia, cólicas, dor de cabeça, aumento do apetite, redução do fluxo menstrual, mastalgia e aumento no tamanho dos seios, desregularização do ciclo menstrual, náuseas, alterações na menstruação.

 

Conheça alguns anticoncepcionais

A maneira correta de iniciar o tratamento é começar o uso da pílula no primeiro dia da menstruação. Em pílulas como Micropil, Diane, Femina, Dimina, Microdiol, Mercilon, Harmonet, Minulet, Gynera, faz-se uma pausa de sete dias e recomeça-se o uso.

Durante a pausa a menstruação vem. Minesse e Mirelle são anticoncepcionais conhecidos pela baixa dosagem.

Cerazette, a pílula sem estrogênio, inicia-se seu uso também no primeiro dia da menstruação e não há interrupção.

As maiorias das pílulas funcionam com uma semana de intervalo entre as cartelas, estender o tempo de pausa, aumenta mais a possibilidade da ovulação.

Se você esqueceu-se de tomar a pílula, tome logo duas quando se lembrar, isso se houver ultrapassado às 12 horas seguintes do horário estabelecido por você.

Esqueceu por dois dias? Tome duas por dois dias e use camisinha até o fim do ciclo.

Esqueceu por três dias? Você deverá usar camisinha até menstruar novamente, importante lembrar, mesmo esquecendo o uso da pílula, não suspenda, siga o uso até o final da cartela, mas nesse mês a eficácia já se perdeu. Por isso, use preservativo em todas as relações até iniciar a próxima cartela, não se esqueça de estabelecer um horário regular para o uso da pílula, desse modo você contribuirá para a eficácia.

Os hormônios contidos nas pílulas atingem diretamente a glândula pituitária no cérebro que bloqueia hormônio responsável pela ovulação. Ela também é responsável em deixar o muco cervical, aquela secreção que sai pela vagina e se parece com uma clara de ovo, mais espesso, dessa forma o muco ajuda a imobilizar o espermatozóide.

Quem faz uso de pílulas anticoncepcionais não precisariam menstruar, os médicos chamam esse sangramento que ocorre entre o intervalo de uma semana entre as cartelas de “sangramento por deprivação”, é quando há ausência de hormônios.

O fluxo tende a ser mais curto e de menos intensidade, porque o endométrio, a camada interna do útero, não se desenvolve, portanto, não há o que descamar. Esse fluxo não tem grande serventia, a não ser acalmar a nossa mente, se menstruamos não estamos grávidas, esse é o pensamento feminino. Muitas de nós, no entanto, não gostamos de conviver com o desconforto menstrual, que bom passar férias sem entrar no vermelho. Nesse caso, recomenda-se emendar uma cartela no outra, ou você também pode optar por anticoncepcionais a base de progesterona, por serem ingeridos todos os dias sem pausa.

Agora, nem tudo são flores, algumas mulheres chegam a reter de um a dois litros de líquidos por causa das pílulas, o suficiente para saltar aquela tenebrosa barriguinha, mas fique atenta se a guerra contra a balança continuar mesmo depois da menstruação, é um sinal que há outros fatores influenciando no aumento de suas medidas.

Atenção para o caso de você ter vômitos ou diarréia é possível que a pílula não tenha sido absorvida. Volte a tomar o medicamento após melhorar dos sintomas, observe o tempo decorrido e aja da mesma forma como se houvesse esquecido tomá-la. Nunca tome pílula com outro medicamento, alguns deles cortam a eficácia da pílula.
Nos primeiros meses pode ocorrer um pequeno sangramento amarronzado, isto não tem nenhum significado patológico e tende a desaparecer espontaneamente.

 

Quando iniciar o uso da pílula?

Aos adolescentes a pílula é o método mais recomendado, porém antes de iniciar o uso consulte seu médico de confiança, somente ele poderá indicar o melhor método, o mais adequado ao seu organismo, não siga orientações de terceiros, pois o que é bom para suas amigas pode não ser o melhor para você. Existe também a questão da grande variedade de marcas e tipos de anticoncepcionais, mais um motivo para consultar um médico, anticoncepcionais tomados de forma errada podem perder sua eficácia o que representa além do grande risco de gravidez efeitos colaterais graves. Não existe nada cientificamente comprovado que os anticoncepcionais fazem mal ao organismo dos adolescentes, quando iniciado seu uso prematuramente, ao contrário, uma gestação indesejada pode representar problemas muito maiores. O início da sua eficácia é questionável, visto que alguns dizem que já na primeira cartela a ovulação é inibida, outros afirmam que a partir do segundo mês, mais uma vez ressaltamos a importância de consultar um médico, pois este poderá afirmar com certeza.

 

A pílula causa acne?

Não. Os hormônios androgênicos são os causadores das acnes, a pílula anticoncepcional além do controle da fertilidade pode ser indicada a vários tratamentos como os ovários poliscísticos, a cólica menstrual, tensão pré-menstrual, inclusive no tratamento de pele, o uso de alguns anticoncepcionais podem baixar o nível de hormônios, para isso converse com seu médico.

 

Engordam?

Algumas pílulas compostas de progesterona podem sim levar a um ganho de peso, porém muito pouco, existem também pílulas com baixa dosagem hormonal em que o aumento de peso é quase nulo. Para os contraceptivos injetáveis, principalmente os trimestrais, o aumento de peso é considerável, pois há níveis maiores de progesterona.

 

A pílula do dia seguinte

A pílula do dia seguinte é um medicamento tomado por muitas mulheres depois de uma relação sexual, ela é usada para impedir uma possível gravidez, caso a mulher não tenha usado métodos anticonceptivos na hora da relação sexual. Mas infelizmente grande parte das mulheres fazem o uso desse medicamento sem prescrição médica, isso é totalmente errado, pois se a pílula não for compatível com o organismo da pessoa, pode ocasionar vários danos.

É verídico dizer que depois da relação, você tem exatamente três dias para saber se realmente estava no seu período fértil, onde você deve procurar um médico para te prescrever a pílula, ela é tomado da seguinte maneira, preferencialmente deve ser ingerida a primeira pílula 24 horas depois da relação para que haja eficácia, logo após 12 horas outra pílula deve ser tomada.

Se você já ouviu falar que a pílula age antes que ocorra a gravidez isso é irreal, pois se a fecundação não tiver sido concretizada, a pílula dificultará o processo, mas se o espermatozóide já tiver encontrado o óvulo, ocasionando a fecundação, a pílula irá provocar uma descamação do útero para que impeça a implantação do óvulo fecundado.

Em resumo a pílula do dia seguinte pode ser usada 72 horas após o ato sexual, como ela funciona de forma abortiva deve ser comprada e usada com prescrição médica.

Se você é adolescente e faz uso da pílula do dia seguinte quando mantém relações sexuais, sua menstruação nada tem a ver com isso, por um simples fator: tudo ainda é indefinido em seu organismo, você não tem data certa para menstruar. Por isso, se a sua menstruação atrasar, nesse caso, não precisa ficar preocupada, porém, seria mais sensato que você fizesse uso de pílulas anticoncepcionais, passando por uma consulta com um ginecologista que indicaria a melhor pílula para você, assim faria as duas coisas, a prevenção  de uma gravidez precoce e ajudaria a regular o seu ciclo menstrual.

Já no caso de mulheres adultas, que não costumam ter irregularidade em seu ciclo menstrual, o uso de pílula do dia seguinte causar atraso na menstruação pode ser ocasionado pelo excesso do medicamento, ou então por alguma disfunção hormonal. Se isso acontecer, procure um médico ginecologista, ele poderá dar um diagnóstico preciso sobre sua situação e te passará os medicamentos a serem utilizados.

Seu uso excessivo pode causar alterações no ciclo menstrual, interferência na ovulação, dor de cabeça, sensibilidade nos seios, náuseas e vômitos. A pílula do dia seguinte pode afetar o funcionamento normal do organismo se for usada de forma errada. Se for para usar a pílula de forma abusiva, prefira então tomar injeções ou então anticoncepcional oral, além de muitos outros métodos para evitar a gravidez. Há muitos tabus sobre a pílula do dia seguinte, mas também muitas verdades que devem ser levadas em conta para não prejudicar a saúde. Vale salientar que, como todo medicamento, a pílula também possui contra-indicações, como em caso de doença hematológica (do sangue), vascular, é hipertensa ou obesa mórbida. Muitas pessoas também cometem o erro de trocar a camisinha pela pílula. Porém, a pílula só deve ser tomada apenas quando o método contraceptivo escolhido falhar, pois apresenta efeitos colaterais muito mais severos que as pílulas comuns. Vale à pena lembrar que o mau uso pode afetar o aparelho reprodutor, dificultando futuras gestações. Por isso, escolha um bom método contraceptivo e só faça uso da pílula do dia seguinte caso este venha a falhar.

 

Anticoncepcional injetável

A primeira coisa que devemos saber é que ele é igual ao anticoncepcional oral. Há dois tipos de anticoncepcional injetável: o trimestral e o mensal. A diferença entre os dois é que no trimestral você não menstrua e ocorre a retenção do líquido, aumentando o apetite e também ocorre um aumento no peso, o outro é o mensal que é usado mensalmente em uma única injeção e a pessoa menstrua normalmente. A retenção de líquido pode ocorrer, mais vai depender de paciente para paciente. O local mais indicado para a aplicação do anticoncepcional injetável é nas nádegas e é importante não massagear o local após a aplicação. Para as adolescentes que começaram a sua vida sexual e que ainda não contaram aos pais essa é uma opção e tanto, já que não fica nenhum vestígio guardado dentro de casa. As vantagens deste contraceptivo são alta eficácia e segurança, são totalmente discretos, diminuem as cólicas e as dores menstruais, regula a menstruação, não causam enjôos e dores de cabeça, previnem o câncer do endométrio e também dos ovários, a forma de administração, pois não há a necessidade do uso diário como a via oral, reduzem o risco do desenvolvimento de miomas e diminuem o risco de anemia.

Já as desvantagens são de não protegerem da AIDS e DSTs, como todas as outras, causam irregularidades menstruais nos primeiros meses se for usar a injetável mensal e ocorre à retenção de líquido, o que pode causar aumento de peso e apetite. O principal objetivo tanto da injetável quanto a oral é inibir a ocorrência de ovulação o que causa a gravidez.

 

Anticoncepcional adesivo funciona?

O anticoncepcional em forma adesiva é tão eficaz quanto às pílulas contraceptivas, pois assim como os demais métodos é composto por progesterona e estrogênio que inibem a ovulação.

Como sabemos para se obter a máxima eficácia dos métodos contraceptivos, independentes de quais sejam, o segredo está na forma de utilizá-los corretamente e o anticoncepcional adesivo não foge a essa regra, podendo ser usado por todas as mulheres que não apresentem reações adversas ao uso de hormônios, sobretudo recomendado as mulheres que sofrem com problemas estomacais.

Esse método apresenta algumas vantagens em relação aos outros, sendo também o método mais indicado as “esquecidinhas”, ou seja, todas aquelas que não conseguem manter regularidade no uso da pílula, uma vez que seu uso é semanal, o adesivo diminui consideravelmente o risco do esquecimento. Outra grande vantagem que esse método apresenta está na redução dos efeitos colaterais, tão comuns a grande maioria das mulheres, pois seus hormônios são absorvidos diretamente pela circulação sanguínea.

Vale ressaltar que embora as chances sejam menores, o método não elimina totalmente os efeitos colaterais, podendo causar náuseas, dores de cabeça e desconforto abdominal, sintomas comuns a quem usa anticoncepcional.

Diferentemente do anticoncepcional injetável, em que a fertilidade se normaliza somente após seis meses, o contraceptivo adesivo dura o mês em que ele é utilizado, sendo que ao interromper seu uso retoma-se imediatamente a fertilidade e a capacidade de engravidar.

A única desvantagem observada está em relação ao preço que é bem maior quando comparado as pílulas orais.

Algumas dúvidas podem surgir a respeito do seu uso, como por exemplo, se não há risco do adesivo descolar da pele, principalmente se frequentamos piscinas, praias ou até mesmo durante o banho. Quanto a isso os profissionais garantem que não há problemas, porém a pele precisa estar bem limpa e seca e principalmente não pode estar oleosa o local em que o adesivo será colado, por isso antes de aplicá-lo, limpe a pele com álcool e seque-a bem, dessa forma torna-se improvável que ele desgrude.

Para iniciar seu uso, o adesivo deve ser colado no primeiro dia da menstruação, como é de uso semanal deve-se permanecer com ele durante sete dias quando deve ser substituído por outro, em cada caixinha você encontra três adesivos, portanto, a cada três semanas deve-se fazer uma pausa de sete dias, para que ocorra a menstruação, sendo colado outro adesivo novamente no oitavo dia após a pausa.

Você poderá aplicá-los em locais como braço, barriga, costas e nádegas, porém devem-se evitar locais que haja atrito, como sola do pé e lugares em que geralmente ficam os elásticos das roupas íntimas, também não é aconselhável aplicá-lo nos seios.

Importante ressaltar que embora o método pareça atrativo, anticoncepcional é coisa séria e não pode ser comprado por indicação de terceiros ou na base do “chute”. Antes de escolher qualquer método contraceptivo e iniciar seu uso é fundamental consultar um médico ginecologista, somente ele poderá lhe indicar o método mais aconselhável a cada caso.

Fonte: www.mulhersexofragil.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...