Cárie - A doença que mais atinge os dentes

A cárie é fruto de um processo que envolve perda e substituição de sais minerais do dente com o passar do tempo, em resposta aos ataques ácidos diários que ele sofre pela ingestão de alimentos.

A cárie dentária pode ser definida como uma destruição localizada dos tecidos dentais causada pela ação das bactérias. A desmineralização dos tecidos dentais (esmalte, dentina ou cemento) é causada por ácidos, especialmente o ácido lático, produzido pela fermentação bacteriana dos carboidratos da dieta, geralmente a sacarose. A baixa do pH ocasiona dissolução do esmalte e transporte do cálcio e fosfato para o meio ambiente bucal.

A formação da cárie pode ser evitada com a ajuda do dentista: basta seguir sua orientação e alimentar-se corretamente, nos horários certos, evitando comer entre as refeições principais. E escovar os dentes com pasta à base de flúor pelo menos duas vezes ao dia é uma medida essencial para equilibrar a guerra que se trava na superfície do dente e combater o processo de deterioração que resulta na cárie.

 

Conceito
  • Etimologicamente a palavra cárie significa material podre. Apresenta-se como uma moléstia crônica que acomete grande parte da humanidade, com certo predomínio em algumas áreas dependendo da alimentação, higienização e fatores genéticos.
  • Processo patológico e localizado de origem externa que se inicia depois da erupção dental. Determina um amolecimento de tecido duro do dente e evoluciona para uma formação de uma cavidade.
  • Doença infecciosa oportunista, de caráter multifatorial, fortemente influenciada pelos carboidratos da dieta e pela ação dos componentes salivares.
  • Cárie dentária é um processo patológico de etiologia microbiana, que resulta na destruição localizada dos tecidos dentários.

É uma doença transmissível e infecciosa de origem bacteriana. As bactérias que se encontram normalmente na boca transformam os restos de alguns alimentos em ácidos; tais ácidos, (lático, acético, butírico, propiônico, etc) formados por um processo de fermentação, atacam os tecidos mineralizados do dente.

Sua ação se dá através da degradação de açúcares e sua transformação em ácidos que corroem a porção mineralizada dos dentes. O flúor juntamente com o cálcio e um açúcar, chamado xilitol agem inibindo esse processo, contudo o flúor deve ser usado com moderação, devido a sua alta toxicidade. Além disso, quando não se escovam os dentes corretamente e neles acumulam-se restos de alimentos, as bactérias que vivem na boca aderem-se aos dentes, formando a placa bacteriana ou biofilme. Na placa, elas transformam o açúcar dos restos de alimentos em ácido, que por sua vez corrói o esmalte do dente formando uma cavidade, que é a cárie propriamente dita. Vale lembrar que a placa bacteriana se forma mesmo na ausência de ingestão de carboidratos fermentáveis, pois as bactérias possuem polissacarídeo intracelulares de reserva.

Do ponto de vista anatômico e microbiológico, existem vários tipos diferentes de cáries:

  • cáries em depressão e fissura,
  • cárie de superfície lisa,
  • cárie da raiz e
  • cáries na dentina profunda.

O processo de destruição do dente envolve dissolução da fase mineral, que consiste principalmente em cristais de hidroxiapatita, por ácidos orgânicos produzidos pela fermentação bacteriana.

Pense desta forma: Toda vez que comemos, ocorre um ataque ácido sobre o dente. O corpo contra-ataca lavando com saliva os restos alimentares e o ácido formado. A saliva não apenas tampona – ou neutraliza – os ácidos, mas também contém sais minerais (de cálcio e fosfato) que reconstroem as áreas desmineralizadas do dente ou atacadas pelos ácidos. Esse processo de reconstrução é conhecido como remineralização. As séries de ataque e reconstrução são como uma guerra dentro da boca: o corpo procura reagir para proteger os dentes dos problemas do dia-a-dia. Entendendo o que de fato provoca a formação da cárie e observando melhor cada um de seus três fatores contribuintes, podemos buscar outros meios de evitá-la.

 

 

Alimentação

Alimentos e bebidas consumidos por períodos prolongados entre as refeições podem deslocar o equilíbrio entre remineralização/desmineralização a favor da formação da cárie. Comidas que grudam no dente, como caramelo e uva passa, devem ser evitadas entre as refeições, porque provocam um ataque ácido forte demais para a saliva combater. Já quando ingeridos durante a refeição, esses alimentos favorecem o lado da pessoa e de seus dentes. Quando a criança dorme tomando mamadeira ou fica sempre de dia com uma mamadeira na mão, tanto de leite quanto de suco de fruta etc., sua boca se torna um campo propício para a produção de ácidos pelas bactérias e as cáries começam rapidamente a se formar.

É o que chamamos de “cárie de mamadeira”. Para evitar a cárie, restrinja o consumo de doces, alimentos que grudam nos dentes e bebidas doces entre as refeições.

 

Bactérias Presentes na Placa

A placa bacteriana que se forma sobre os dentes deve ser removida por meio de escovação pelo menos duas vezes ao dia e uso de fio dental uma vez por dia. Normalmente, dentes limpos permanecem saudáveis. Certas bactérias promovem mais a cárie do que outras, porque sabem usar melhor os açúcares e amido dos alimentos do que outras.

As chamadas streptococci mutans e lactobacillus são dois tipos dessas criminosas. Todo mundo tem pequenas quantidades desses tipos de bactéria na boca, mas ocorre às vezes de elas estarem presentes em quantidade maior. Nesse caso, a pessoa corre um risco maior de ter cárie, ou seja, de perder a guerra. O dentista pode colher uma amostra de saliva para medir a concentração dessas bactérias.

 

Estado de Saúde da Boca

O terceiro fator importante para a formação da cárie é a saúde dos dentes e da boca. Isso inclui tudo: formato, formação e posição dos dentes, saliva, tratamentos dentários e hábitos de saúde bucal. A saliva é muito importante e sua ação se dá em diversas frentes, principalmente na diminuição da perda mineral dos dentes e em sua substituição no processo de remineralização. Às vezes, porém, determinadas condições ou medicações influem na quantidade e na qualidade da saliva, permitindo a formação da cárie.

 

Maneiras de Evitar a Formação de Cáries

Selantes: As ranhuras e depressões de alguns dentes, como os molares, podem favorecer o surgimento de cáries, principalmente quando muito profundas. Uma maneira de evitar que o processo se instale é revestir essas áreas mais propícias com um material plástico chamado selante. Ao endurecer, ele age como barreira, protegendo a superfície do dente da placa e dos ácidos.

 

Suplementos à base de Flúor: O flúor também desempenha um papel importante na prevenção da cárie. A adição desse elemento à água ou à fórmula do antisséptico bucal usado na limpeza rotineira diária dos dentes aumenta a proteção contra cáries e bactérias. Existem também suplementos à base de flúor que contribuem para a limpeza e saúde da boca.

 

Pasta de Dente com Flúor: Uma das melhores maneiras de evitar a perda mineral ou desmineralização dos dentes e reforçar o processo de substituição ou remineralização é usar pasta de dente com flúor. Uma pequena quantidade usada diariamente já faz a guerra da boca pender a nosso favor.

Muitos estudos científicos realizados durante um bom período de tempo comprovaram que essa é uma das maneiras mais eficazes de combater a cárie. E recentes avanços na tecnologia melhoraram os cremes dentais ainda mais, introduzindo neles componentes antibacterianos, como o estanho, presente no fluoreto estanhoso.

 

Como foi descoberta

A cárie é uma doença com pelo menos 500.000 anos de idade, como evidenciam os registros esqueléticos. Esta remonta aos tempos bíblicos. Foi detectada em todos os povos, em todas as raças e em todas as épocas.

Na América, a cárie incide em cerca de 95% da população, incluindo os Estados Unidos, país de elevado padrão higiênico. Assim, a cárie dental constitui, inegavelmente, sério problema social.

Ao longo do tempo, foram propostos diferentes conceitos sobre a etiologia da cárie dentária. No final do século passado, Miller introduziu a teoria quimiositária, afirmando que diversos microrganismos da cavidade bucal eram capazes de produzir ácido através da fermentação do açúcar, e que estes dissolviam os cristais de hidroxiapatita dos dentes. Paul Keyes, estabeleceu o clássico conceito de três círculos superpostos indicando que no dente, os microrganismos e o substrato devem estar presentes, ao mesmo tempo, para o desenvolvimento da cárie dentária.

O conceito de causalidade, atualmente aceito, é bem mais complexo do que os sugeridos por KEYES e MILER, pois sabe-se que o acumulo de microrganismos capazes de converter carboidratos em ácidos nem sempre resulta em lesões de cárie. Por exemplo, o acúmulo freqüente de placa observado ao longo de margem gengival na superfície lingual de molares inferiores, raramente leva ao desenvolvimento de lesões de cárie, pois essas áreas estão em contato constante com a saliva.

Do ponto de vista filosófico, tanto os microrganismos capazes de produzi ácidos a partir da fermentação de açúcares fermentáveis podem ser considerados fatores necessários, mas não suficientes para o desenvolvimento da cárie dentária. Ao longo dos anos, pesquisas revelaram uma multiplicidade de fatores biológicos ou determinantes que podem influenciar ou não a cariogenicidade, da placa. Dessa forma, na atuação a cárie dentária é caracterizada como uma doença multifatorial.

Thystrup, Bruun (1992) e Fejerskov (1994), todavia, alertaram para o fato da importância relativa dos vários determinantes ser diferente. De acordo com esses autores, o fator essencial que determina se a placa será ou não cariogênica, é o atrito mecânico e a descamação que ocorre na boca. Por outro lado, a velocidade de progressão da lesão é influenciada pela complexa interação entre os fatores individuais e externos. De acordo com esta interpretação, a cárie dentária deve ser considerada como um processo patológico localizado, que ocorre em "áreas de estagnação" dos dentes, onde é permitido o desenvolvimento da placa cariogênica. Define-se áreas de estagnação como sendo locais que favoreçam o crescimento bacteriano.

 

Tratamento

A cárie precisa ser retirada, para isso o dentista remove o tecido cariado preenchendo a cavidade (o pequeno “buraco”) com uma resina composta ou algum material como o amálgama de prata, o dente cariado pode ser perdido se não tratado a tempo.

 
Prevenção

- Usar o fio dental após qualquer refeição, principalmente antes de dormir. O fio dental consegue retirar restos de comida e placas bacterianas onde a escova de dente muitas vezes não chega;

- Escove os dentes após qualquer refeição, massageando a gengiva. Use cremes dentais com flúor;

- Coma alimentos ricos em fibras, como cenoura, maçã, pepino, rabanete e verduras em geral, pois elas estimulam a salivação e contribuem para a diminuição da acidez da boca.

- Evite escovar os dentes após o consumo de refrigerantes, a maioria dos refrigerantes amolecem os dentes, espere no mínimo 15 minutos para poder escova-los.

 

Fonte: www.oralb.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...