O que é Síndrome das Pernas Inquietas?

É uma sensação incômoda, não dolorosa, dentro das pernas que provoca uma irresistível vontade de mexê-las.

Algumas pessoas descrevem-na como:

  • Coceira nos ossos
  • Alfinetadas
  • Insetos caminhando pelas pernas
  • Pernas querendo dançar sozinhas
  • Comichão
  • Formigamento
  • Friagem

Seja qual for a sensação, ela vem acompanhada por essa urgência para mexer as pernas. Às vezes, pode ser nos braços.

Os sintomas pioram ou só aparecem quando o indivíduo está descansando e desaparecem com movimento. Pioram à noite, especialmente quando o indivíduo se deita. Movimentos dos pés dedos e pernas são vistos quando o indivíduo está sentado ou deitado. Essa inquietação pode ser interpretada erroneamente como nervosismo.

Os sintomas de SPI podem causar dificuldade para adormecer e permanecer dormindo. Aproximadamente 80% das pessoas com SPI têm também movimentos periódicos dos membros durante o sono (PLMS), esses “puxões” acontecem a cada 20-30 segundos durante a noite toda, causam microdespertares que interrompem o sono.

Por causa da dificuldade de dormir e manter-se no sono, as pessoas se sentem cansadas e sonolentas durante o dia, aumentando irritabilidade, inabilidade para lidar com o estresse, depressão, dificuldade para concentração e memória. Por causa da urgência em movimentar as pernas, longas viagens e atividades de lazer são quase impossíveis.

 

Causas e Conseqüências

Muitas pesquisas ainda estão sendo realizadas e as respostas são limitadas, mas já podemos afirmar que a SPI pode ter diferentes causas.

A SPI também tem uma intensa história familiar com uma influência genética muito forte. Pesquisas já determinaram que os genes do cromossomo 12 ou 14, dependendo da família, são os responsáveis. Essa forma de SPI é conhecida como primária ou familiar.

A SPI também pode ser resultante de outras condições, são as SPI secundárias. Durante a gravidez, 15% das mulheres desenvolvem SPI. Os sintomas desaparecem depois do parto. Anemia e baixos níveis de ferro no sangue também são associados a sintomas de SPI, assim como outras doenças crônicas (neuropatia, problemas renais). Estudos recentes apontam para a associação entre SPI e Transtornos de Hiperatividade e Déficit de Atenção (TDAH).

Se você não tem história de SPI na família e os sintomas não estão associados a outras condições, então a doença é chamada idiopática (sem causa).

Idade

Embora o diagnóstico seja feito em pessoas de meia idade, muitos deles podem lembrar-se de sintomas já presentes na infância, principalmente naqueles com SPI familiar. Esses sintomas na infância podem ter sido chamados de dor de crescimento ou hiperatividade, porque a criança não parava quieta na hora da aula. Crianças inquietas, hiperativas que pedem para massagear suas pernas na hora de dormir podem estar manifestando a SPI.

Diagnóstico

O diagnóstico de SPI é feito através da história clínica e da descrição das sensações. Não há exames laboratoriais que confirmem o diagnóstico, mas estes podem ser feitos para afastar outras doenças do sono. O exame de sangue (dosagem de ferritina, ferro sérico e capacidade ferropéxica) é necessário para medir a deficiência de ferro.

 

Tratamento

O tratamento oferecido tem como objetivo aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida das pessoas com SPI, balanceando riscos e benefícios.

Se uma deficiência de ferro for detectada, utiliza-se suplemento de ferro, vitamina B12, que pode ser suficiente para acabar com os sintomas. Como o uso de certas substâncias em quantias inadequadas pode causar intoxicação, recomenda-se a avaliação, prescrição e acompanhamento médico para a utilização da suplementação de ferro.

Quase 25% dos pacientes com SPI têm seus sintomas causados ou agravados, pela utilização de outros medicamentos. Essas drogas incluem bloqueadores do canal de cálcio (usados para tratar pressão alta e problemas do coração), medicamentos anti-náusea, alguns medicamentos para gripes e alergias, tranqüilizantes, fenitoína e medicamentos utilizados para tratar depressão.

O tipo de vida também interfere, certos hábitos e costumes podem piorar os sintomas de SPI. Uma boa higiene do sono deve ser seguida, pois a fadiga e sonolência tendem a piorar os sintomas. Higiene do Sono significa encontrar o melhor horário para dormir e acordar e mantê-lo todos os dias, dormindo o mesmo número de horas. Exercícios físicos moderados são recomendados até seis horas antes do horário de dormir. Para algumas pessoas, ao contrário, exercícios físicos logo antes de dormir são benéficos.

Uma dieta balanceada pode ser importante para diminuir a gravidade da doença. Apesar da cafeína aparentemente melhorar os sintomas, ela os intensifica e os atrasa para mais arde da noite. A melhor solução é evitar todos os produtos com cafeína: café, chá mate, chá preto, refrigerantes, chocolate e alguns medicamentos. O consumo de bebidas alcoólicas aumenta a intensidade dos sintomas, de novo a melhor solução é evitá-las.

Certas atividades físicas como banho quente, massagens, técnicas de relaxamento, trabalhos manuais, alguma outra atividade que mantenha a mente ocupada, podem ser benéficas, mas dependem da gravidade dos sintomas de cada pessoa. Algumas pessoas não conseguem encontrar alívio com qualquer atividade e precisam de medicamentos.

Tratamento medicamentoso

Não há um medicamento aprovado especialmente para o tratamento da SPI, mas outros medicamentos aprovados para outras doenças são utilizados. São eles: agonistas dopaminérgicos, sedativos, medicações para dor e anticonvulsivantes. Cada droga tem seus benefícios, limitações e efeitos colaterais. A escolha da medicação depende da gravidade dos sintomas.

A primeira escolha para tratar SPI são os agonistas dopaminérgicos, entre eles o pramipexol. Embora esta classe de medicamentos seja utilizada para tratamento da Doença de Parkinson, a SPI não é uma forma de parkinsonismo. Todo medicamento deve ser iniciado com baixas doses e de forma lenta para minimizar os efeitos colaterais.

A carbidopa/levodopa tem sido usada por mais tempo, mas recentemente descobriu-se um problema que ela pode provocar: o aumento dos sintomas. Apesar de a dose ser suficiente para propiciar uma boa noite de sono, as sensações e a urgência para mexer as pernas vai se intensificando e aparecendo mais cedo no dia (à tarde ou pela manhã). Quando isso acontece, provavelmente deve-se trocar a medicação, mas isso não pode ser feito de modo abrupto. Procure seu médico e veja com ele qual a melhor solução.

Informação

A informação é o primeiro passo contra a SPI. O melhor tratamento requer uma boa interação entre você e seu médico, para um diagnóstico correto e eficácia no alívio dos sintomas, se for possível, sem uso de medicamentos. Mas se você precisar de medicação, a escolha da droga e a dosagem devem ser bem cuidadosas. Medicamentos sozinhos ou em conjunto com outros podem funcionar bem para alguns e não para outras pessoas.

Porque não se tem um tratamento único e efetivo para a SPI?

Pesquisas continuam sendo realizadas e são de vital importância. Enquanto isso não for bem definido, o trabalho junto com seu médico, a procura de tratamentos não medicamentosos e a interação com grupos de suporte (como a Associação Brasileira da Síndrome das Pernas Inquietas) ainda são ajudas fundamentais para se viver bem e com qualidade apesar da SPI.

 

Neste video, um especialista fala sobre o assunto no programa do Jô.

 

Fonte: www.sindromedaspernasinquietas.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...