Trinca-Ferro

O nome popular desta espécie é derivado da robustez de seu bico. O Trinca-Ferro é uma ave valente, territorialista, que gosta de disputas e que desperta um grande interesse nos passarinheiros do nosso país.

  • Origem: Brasil
  • Habitat: Vive a beira da mata
  • Postura: 1 a 3 ovos
  • Tamanho: Podem chegar a 21 cm

Canto: Os cantos mais apreciados são o "Bom-dia-seu-chico-boi", "Bom-dia-seu-tio-joão" e o "Curril-curril-boi".

Trinca Ferro Canto "Eu Sou Terrível"

Trinca Ferro Canto "Bom Dia Seu Chico"

 

Alimentacao

Os Trinca Ferros são animais onívoros. Isso significa que seu aparelho digestivo está adaptadado para se alimentar com diferentes fontes (frutas, verduras, legumes, sementes e pequenos insetos). Há algumas maneiras principais de se alimentar um Trinca.

Até pouco tempo atrás, era o tipo de alimentação mais usado pelos trinqueiros. Estes produtos são facilmente encontrados em casas para animais e são compostos basicamente de:

1) Farelos

2) insetos e frutas ressecados

3) Algumas sementes

Caso o criador deseje utilizar as rações fareladas, ele deve complementar a alimentação do Trinca com frutas, verduras e legumes. Neste caso recomenda-se os seguintes itens:

Sementes: Diariamente a mistura: 50% de ração peletizada comercial para sabiás, 20% de alpiste, 15% de arroz com casca, 10% de girassol e 5% de aveia.

Frutas: Jabuticaba, maçã, mamão, laranja, goiaba, banana.

Legumes: Pimentão, jiló, berinjela e cenoura.

Verduras: Escarola, couve, serralha, almeirão.

Rações: Existem, nas Agro-Pets, Misturas e Rações especiais para a espécie.

Farinhadas: Existem, nas Agro-Pets, Farinhadas especiais para a espécie.

Alimentos vivos:  Oferecer cerca de 5 larvas "tenébrio" para cada pássaro 3 vezes por semana, durante o ano todo.

Água: Filtrada, renovada diariamente, em bebedouro limpo. Nunca forneça água gelada.

Areia: Limpa, esterilizada, podendo ser fornecida junto com um complexo mineral.

Fêmea em reprodução - mistura de 50% de quirela de milho e 50% de ração de codorna (postura). Ração peletizada comercial para sabiás, 20% de alpiste, 15% de arroz com casca, 10% de girassol e 5% de aveia.

Para atender às necessidades de proteína do Trinca Ferro, o criador deve oferecer larvas de tenébrio e grilos ao pássaro. Estes insetos podem ser encontradas em sites especializados.

Caso queira oferecer sementes ao Trinca Ferro, dê Alpiste, Paiço (comum, verde, vermelho e preto), Senha, Aveia, Arroz com Casca, Cânhamo e Girassol.

Muita atenção para o seguinte: Cânhamo e o Girassol devem ser dados somente de vez em quando, em pequenas proporções, pois são sementes bastante oleosas. Se forem dadas com freqüência, deixarão a ave obesa e atacarão seu fígado. Arroz com casca pode ser deixado de lado, pois também não são muito boas para o fígado do Trinca.

A grande questão que envolve tudo isso é o equilíbrio nutricional. Caso seu Trinca Ferro goste de um destes itens, ele pode se alimentar exclusivamente deste seu alimento preferido (e deixar o resto de lado). Isso pode causar um desequilíbrio nutricional que pode, inclusive, levá-lo a adoecer.

Um outro problema ocasionado por esta alimentação tão diversificada é a manutenção destes itens: como todos estes alimentos são perecíveis, o criador terá de aumentar em muito seu cuidado (para que não se estraguem na gaiola).

Por último, há a questão dos agrotóxicos. Nós, seres humanos, não sentimos tanto os efeitos destes produtos, mas os pássaros tem um metabolismo muito diferente e seu tamanho é incomparavelmente menor que o nosso. Desta forma, as doses de agrotóxicos presentes nas frutas, verduras e legumes podem ser letais para as aves. O criador deve estar atento a isto.

 

Racoes Extrusadas 

As rações extrusadas são relativamente novas no mercado, mas seus benefícios já estão sendo relacionados pelos criadores. Vejamos alguns deles:

Com as extrusadas, o criador não precisa se preocupar com o equilíbrio nutricional do pássaro. Cada partícula de ração contém todos os elementos que a ave necessita para ter uma boa constituição alimentar. Mesmo que o pássaro faça seleção entre as cores da ração (ex: come as bolinhas "verdes" e deixa as "vermelhas" de lado), não haverá problema nenhum; pois os nutrientes presentes em cada uma das partículas são iguais.

Neste caso, o criador não deve fazer das frutas, legumes e verduras a base da constituição alimentar de seus Trincas (mas pode oferecê-los somente 2 ou 3 vezes por semana, para agradar ao pássaro).

Também com as extrusadas o ambiente do pássaro fica mais limpo, diminuindo as chances da ave contrair doenças. O criador não precisa dispensar o cuidado que teria de ser dado se estivesse oferecendo alimentos perecíveis diariamente.

Quanto ao transporte e a manutenção das rações, há mais benefícios. Elas são engarrafadas ou empacotadas dentro dos laboratórios fabricantes (o que diminui em muito o risco de qualquer tipo de contaminação).

Um dos problemas da utilização das rações é o seu preço. Por mais que elas sejam fabricadas por diferentes empresas (com diferentes preços) elas certamente são mais caras do que as frutas e sementes.

Uma outra dificuldade é o acesso: nem todas as cidades do Brasil contam com lojas e petshops que recebem estas rações. Também as empresas que vendem produtos para aves por internet não conseguem atender a todas as cidades do país.

Há ainda uma outra dificuldade: uma das grandes barreiras que os criadores encontram para utilizar as rações é mesmo a aderência por parte dos pássaros. Alguns dos pássaros têm muita dificuldade em pegar a ração (o que desanima seus donos, que acabam desistindo de utilizar as extrusadas).

De qualquer forma, quem for aderir à alimentação à base de rações extrusadas deve procurar as marcas Alcon (Ração "Alcon Club"), Megazoo (Ração "O-20") e Nutrópica (Ração "Pássaros Brasileiros"). Essas são marcas facilmente encontradas no mercado e que gozam de credibilidade.

Lembre-se de oferecer abundância de alimentos macios quando o Trinca estiver passando pelo período da muda de bico, pois ele não vai poder fazer força para quebrar e triturar alimentos.

 

Comportamento

Instinto territorialista mais acentuado. Extremamente valente na época de reprodução, fora isso, costuma ser visto em bandos.

 

Diferenças

Existem três pássaros muito semelhantes, que parecem ser a mesma ave, mas que não são. É bom fazer este esclarecimento aos passarinheiros do Brasil, para que aumentem seu conhecimento.

Trinca Ferro verdadeiro

Nome Científico: Saltator Similis

Distribuição: Da Bahia até o Rio Grande do Sul.

Características: É o maior de todos (21cm), habita as beiras das matas (tanto nas regiões de baixadas como nas regiões de montanhas). Seu dorso é puxado para o verde oliva.

Tempera Viola

Nome Científico: Saltator Maximus

Distribuição: Brasil central em direção à costa (até o Rio de Janeiro)

Características: Tem canto mais curto que os outros e não habita regiões serranas. É o menor de todos (19cm) e apresenta o dorso levemente amarelado.

Trinca Ferro Cinza

Nome Científico: Saltator Coerulescens

Distribuição: Habita as regiões amazônicas e do norte do país.

Características: Tem tamanho médio (20cm). Vive à beira de brejos e rios. Seu dorso é puxado para o cinza.

 

Doenças

Há uma consideração a ser feita antes de falarmos sobre as doenças do Trinca Ferro. A melhor opção quando um criador tem uma ave doente é procurar um veterinário. A observação do especialista supera (em muito) os palpites dados na internet sobre as formas de se tratar um pássaro. Falaremos aqui um pouco sobre as doenças que acometem o Trinca Ferro, mas a solução para todas elas deve ser dada em consulta, com atendimento específico.

PEVIDE (ou PIVITE): Trata-se de uma doença que prejudica de maneira especial os Trincas. A Pevide é uma inflamação na língua do Trinca Ferro. Cria-se uma crosta na língua que impede o pássaro de se alimentar direito. Com o tempo ele irá ter deficiências alimentares e sua saúde estará comprometida (podendo levá-lo à morte).

Já de início é bom avisar: não adianta simplesmente arrancar a crosta, pois a Pevide é somente um sintoma de uma doença causada por um parasita que fica instalado no aparelho respiratório do animal. A Pevide é a "ponta do iceberg".

Muitos criadores explicam que "curaram" a Pevide de seus Trincas arrancando a ponta da língua dos mesmos. Isso é uma ignorância sem tamanho, que deve ser abolida entre os trinqueiros. Submeter o animal a esta mutilação é um desconhecimento generalizado (e uma maneira de fazer a ave sofrer).

Recomenda-se levar o animal a um veterinário especializado em aves silvestres, para que possa diagnosticar, de fato, a Pevide. O especialista irá prescrever polivitamínicos para que o pássaro seja suprido em suas necessidades nutricionais (uma vez que o Trinca acometido de Pevide tem dificuldades em se alimentar).

Depois, o veterinário irá prescrever um tratamento com vermífugo. Este tratamento (de vermifugação) irá acontecer de maneira gradativa, pois há risco de vida para o Trinca se o verme morrer dentro de seu aparelho respiratório.

Por último (depois de tratada a origem do problema) o criador irá se preocupar em - finalmente - arrancar a Pevide. A retirada da Pevide em hora errada pode acarretar em sangramento e dor forte. Já a retirada no momento certo (por pessoa experiente) será simples e indolor. Este procedimento (de retirada da Pevide) pode ser feito por um criador que já tenha feito isso em ocasiões anteriores. O momento bom para a retirada da crosta é quando a língua do Trinca estiver com coloração amarelada. Esta é a hora de realizar o procedimento.

Depois que a Pevide for retirada, o criador deve permanecer oferecendo abundância de alimentos macios ao seu pássaro. Também é importante que ele receba uma dieta rica em proteínas (ex: larvas de tenébrio, grilos e farinhadas com ovo).

ROUQUIDÃO: Outro problema que acomete os Trinca Ferros é a rouquidão. Ela pode acontecer por algumas diferentes razões e o tratamento para cada uma delas é bastante diferente.

Pode ser que o Trinca Ferro esteja rouco por ter pego um resfriado. Gaiolas que ficam em lugares com corrente de vento podem fazer com que a ave fique resfriada. Mudanças bruscas de ambiente (tirar o Trinca de casa em um dia frio) também podem causar o mesmo efeito. Este tipo de rouquidão pode ser tratada de maneira mais simples, com produtos naturais e uma atenção especial para o local onde a ave irá se recuperar. Recomenda-se encapar o Trinca, mantê-lo em um lugar aquecido e oferecer chá de Romã na água de beber.

Mas o Trinca Ferro pode ficar rouco por causa de parasitas. Estes vermes ficam instalados no aparelho respiratório da ave, impedindo ela de respirar e cantar direito. Neste caso, recomenda-se levar a ave a um veterinário, para que ele possa diagnosticar, de fato, a origem da enfermidade. Caso queira correr o risco de realizar um tratamento particular (sem supervisão médica) o criador pode adquirir produtos como Tylotrat, Nalyt, Tylan, Allax ou Ivomec. No caso, o passarinheiro terá de optar por um dos medicamentos citados; deverá observar as informações de bula e seguir as orientações da mesma.

OBESIDADE: Trincas ficam gordos quando não tem espaço suficiente para se exercitarem ou quando ingerem alimento em excesso (ou alimentos gordurosos em grandes quantidades). Nestes casos, recomeda-se oferecer uma gaiola maior ao Trinca Ferro (ou colocá-lo em uma voadeira ou em um viveiro).

Muitos criadores mantém seus Trincas em gaiolas com as mesmas medidas das gaiolas de torneios. Este espaço não é suficiente para a vida diária do animal. São boas para torneios porque seu tamanho diminuto permite um contato visual constante com as aves adversárias; mas são muito pequenas para servirem de moradia do pássaro.

O criador também deve ter uma atenção especial para com a alimentação do Trinca Ferro. Recomenda-se utilizar as Rações Extrusadas (por serem naturalmente equilibradas) e oferecer farinhadas somente em um dia da semana (pois as mesmas ingeridas em excesso podem deixar a ave gorda).

 

Outras dicas

Há muitos outros sintomas que indicam que uma ave está doente. Para isso, o criador deverá observar suas aves constantemente. O melhor preventivo é o olho do dono! Veja alguns sintomas que devem deixá-lo em sinal de alerta e procure por um veterinário se observar algum deles em seus pássaros.

- Pássaro quieto, sem disposição, em um canto da gaiola ou no fundo da mesma.

- Pássaro que não come

- Pássaro que bebe muita água

- Pássaro que está muito magro

- Pássaro que passa o dia respirando com o bico aberto

- Pássaro que emite chiados enquanto respira

- Pássaro que sempre dorme apoiado nas duas pernas

Observando suas aves todos os dias você pode notar comportamentos estranhos e evitar que muitas das doenças de agravem.

 

Reproducao

Os Trincas seguem o ritual de aproximação comum às outras aves. Trata-se de uma ave bastante territorialista, que não convive em grupos. Recomenda-se deixar macho e fêmea separados durante o ano (para juntá-los somente durante os períodos de acasalamento).

Muitos criadores tentam colocar macho e fêmea juntos quando chega a época da reprodução, mas assistem aos dois brigaraem (ao invés de verem a gala do macho sobre a fêmea). Isso pode acontecer porque não houve o devido "preparo" para a gala.

É necessário que o criador realize uma aproximação entre macho e fêmea, um "namoro". Neste namoro, recomenda-se deixar macho e fêmea se escutando, para que ouçam os ruídos e pialadas um do outro. A fêmea irá escutar o canto do macho e irá se sentir atraída.

Um ponto a se destacar é que macho e fêmea de Trinca Ferro se parecem bastante. Por isso, um macho pode pensar que a fêmea é um outro macho (e vice-versa). Isso pode fazê-los tornarem-se agressivos entre si. O "namoro" fará com que eles se reconheçam como sendo do sexo oposto (ficando assim mais abertos para um contato próximo).

Depois da aproximação, o criador pode deixar com que eles se vejam e fiquem um tempo com gaiolas próximas, uma ao lado da outra. Isso fará com que eles se acostumem com a presença um do outro antes que sejam colocados para acasalar. Quando a fêmea estiver abaixando ao ver o macho, é hora de juntá-los para a gala.

Depois da gala, o criador pode tentar deixá-los juntos. Existem algumas fêmeas que permitem que os machos ajudem a criar os filhotes (e existem alguns machos que querem cuidar dos filhotes). Mas cuidado: não são todos os machos que querem ajudar a fêmea e nem todas as fêmeas que permitem que o macho as ajude.

O criador deve deixar as gaiolas encostadas para ver se o macho dá comida no bico da fêmea. Se isso acontecer, o criador pode colocá-los em uma mesma gaiola (desde que haja espaço suficiente). Trincas são pássaros grandes e colocar dois deles em uma gaiola pequena é uma maldade.

O criador deve lembrar de colocar abundância de alimentos na gaiola da fêmea, pois só quando se sentir segura para cuidar dos filhotes ela aceitará a gala do macho. O passarinheiro também deve lembrar de colocar um ninho para a fêmea, pois ela também não aceitará a gala do macho se não tiver onde colocar os filhotes.

Quanto à criação dos ninhegos, o criador não precisa se preocupar em alimentá-los (pois a fêmea irá fazê-lo). O passarinheiro só deve se preocupar com isso caso ele perceba que a fêmea (por alguma razão) não está dando comida a eles. Nestes casos, ele deve fornecer uma papinha para filhotes (comprada em casas especializadas ou sites de produtos para aves).

 

Gaiolas

Uma das coisas mais importantes na criação de uma ave é o espaço que ela tem disponível. Como criadores de aves silvestres nascidas em cativeiro nós devemos prezar para que nossos Trincas gozem da liberdade que cabe ao pássaro nascido em cativeiro. Os Trincas são aves grandes (maiores que Azulões, Curiós, Coleiros, Bicudos ou Canários) e o espaço que eles necessitam é proporcional ao seu tamanho.

O ideal para todo criador seria ter a sua disposição um viveiro (sonho de qualquer passarinheiro), mas todos sabemos que isso é impossível a alguns. Mas mesmo sem podermos ter viveiros em casa, devemos cuidar para que o Trinca tenha uma gaiola compatível com seu tamanho. É muito comum ver criadores mantendo seus Trincas permanentemente em gaiolas pequenas, como as utilizadas em torneios (como nesta imagem abaixo).

É evidente que os Trincas cabem nestas gaiolas. Por terem um tamanho reduzido, estas gaiolas permitem que o Trinca Ferro tenha bom contato visual com seus oponentes de torneio (o que faz com que seu desempenho seja bom). Mas temos todos de concordar: estas gaiolas estão longe de ser suficientes para que os Trincas se movimentem com liberdade.

Uma boa sugestão é a utilização de gaiolas voadeiras. Não necessariamente voadeiras enormes, mas com algum espaço. Estas voadeiras não são tão grandes quanto os viveiros (e nem tão pequenas quanto as gaiolas de torneio). Existem algumas no mercado com excelente relação custo-benefício, acessíveis aos criadores de todo o Brasil (veja modelo na foto abaixo).

Tão importante quanto o espaço que o Trinca terá é a manutenção dos cuidados com a gaiola. O Trinca Ferro é uma ave grande, que produz bastante sujeira, então a fraqüência da limpeza também deve ser - na maioria das vezes - maior do que a de outros pássaros. Outra questão que interfere na questão da higiene da gaiola do Trinca-Ferro é a sua alimentação. As frutas e os legumes estão sempre presentes nas dietas do Trinca (e produzem mais sujeira do que as sementes que os outros pássaros comem).

No que toca à higiene, recomenda-se gaiolas de metal. Eis a razão: As partes da gaiola de metal (seu fundo e grades) podem ser lavadas facilmente com cândida, desinfetante ou álcool. Isso já é bem mais difícil de fazer com as gaiolas de madeira (pois o processo de secagem principalmente pode ser bem mais chato e demorado). Outro ponto desfavorável da gaiola de madeira é que ela tem uma porosidade natural que pode acumular fungos e bactérias (além de que pode abrigar pequenos parasitas nas frestas). Um terceiro ponto sobre a higiene é que a maioria das gaiolas de metal conta com uma grade de proteção no fundo, que impede que o pássaro tenha contato com as fezes que estão no chão (o que não acontece com as gaiolas de madeira que não contam com este item). Então, no que toca a higiene, as gaiolas de metal são melhores.

Mas há um porém. As gaiolas de metal são mais frias. Em regiões do Brasil em que o frio é muito intenso isso pode fazer uma diferença enorme. As gaiolas de madeira são mais frescas no verão e mais quentinhas no inverno. E também as gaiolas de madeira são mais parecidas com o que o pássaro iria encontrar na natureza (as árvores). Então, no que toca à adaptação, as gaiolas de madeira são melhores.

Vamos falar um pouco mais sobre a higiene da gaiola do Trinca (começando com a limpeza corriqueira). Sobre a troca do papel do fundo da gaiola: há passarinheiros que ficam vários e vários dias sem trocar o fundo de suas gaiolas. Há alguns que têm muitas aves e não conseguem dar a atenção devida a cada uma delas. Um criador deve saber qual o limite de pássaros que ele pode ter para que possa mantê-los de maneira saudável.

Há quem troque o fundo todos os dias. Há quem deixe o fundo por mais tempo. O Trinca Ferro é uma ave grande e a sujeira que ele produz é proporcional ao seu tamanho. Gaiolas com Caboclinhos ou o Bigodinhos podem ficar mais tempo sem ter o fundo trocado, mas não é o caso do Trinca (que deve ter o fundo da gaiola trocado diariamente).

Não se recomenda utilizar jornal no fundo da gaiola, pois o mesmo contém chumbo (que é nocivo aos seres vivos). Procure utilizar outros tipos de papel.

Um item é fundamental na higiene da gaiola: a água de beber. A água do bebedouro deve ser trocada diariamente. Por mais que o criador não encontre sujeiras a olho nu; o bebedouro abriga bactérias que podem prejudicar a saúde da ave. Passarinheiro esperto troca a água todos os dias. Também há Trincas que gostam de molhar sua comida na água antes de engoli-la. Isso acontece principalmente com rações extrusadas (e em épocas de muda de bico). Isso faz com que a água de beber fique realmente muito suja (precisando de troca diária).

Além de cuidar da água, o criador deve ter atenção especial com os comedouros e cochos. Acidentes acontecem e é bastante comum encontrar fezes do passarinho no comedouro. O passarinheiro deve observar diariamente o cocho e verificar se o passarinho fez alguma sujeira ali. A remoção da sujeira deve ser imediata.

De tempos em tempos é necessário fazer uma limpeza em toda a gaiola. Limpar poleiros, comedouros, bebedouros e as grades da malha. Para fazer esta limpeza é necessário passar a ave para uma outra gaiola.

Para fazer esta higienização, utilize um pano limpo e um produto de limpeza (que pode ser desinfetante diluído em água ou álcool). Você pode usar uma escova de dentes ou um cotonete para limpar as frestas que o pano não alcança. Esfregue bem as partes e deixe-as secando ao sol. Faça a mesma coisa com o bebedouro e os cochos. De vez em quando é aconselhável jogar SBP (inseticida) nas frestas da gaiola; pois há pequenos parasitas (principalmente piolhos) que se escondem justamente ali.

Atenção: Nunca faça esta limpeza enquanto os pássaros estiverem dentro da gaiola; pois a movimentação pode ser bastante traumática para a ave. Tenha sempre uma segunda gaiola (de reserva) para colocar o Trinca enquanto você faz a higiene da primeira.

Pássaros precisam ficar em lugares iluminados e ventilados. O ideal é que eles estejam em um lugar que receba a luz do dia; luz natural. Mas cuidado: pássaros não podem ficar tomando luz direta do sol por muito tempo. Um pouco de sol é bom, mas os Trincas também precisam de sombra e descanso. O sol da manhã é o mais recomendável.

Também há de se ter um cuidado especial com as correntes de vento. Os pássaros devem ficar em lugares ventilados, mas sem entrar diretamente em contato com as correntes de ar. As rajadas podem resfriar as aves, de maneira que elas venham a adoecer.

Quanto ao contato com as pessoas, há de se observar o seguinte: quando um pássaro fica em um lugar movimentado, é certo que ele se tornará uma ave sociável. Quanto mais isolado ele permanecer, mais chances existem de ele se tornar um pássaro assustado; arisco.

Quanto ao repouso, o criador deve ter muita atenção. Se a ave passar a noite em lugares com muita circulação de pessoas (como a cozinha ou a sala) certamente terá seu repouso comprometido (e ficará mais fraco; sucetível a doenças e males).

Outra preocupação que o passarinheiro deve ter é de não deixar os pássaros em lugares onde eles corram riscos de vida. Há lugares em que o Trinca Ferro estará à mercê de gatos e gaviões. Muita atenção com onde você deixa sua ave pendurada! Manter o pássaro em um lugar seguro é uma obrigação do criador !

 

O mais importante de tudo

Por ser uma das aves mais procuradas pelos criadores da atualidade, o Trinca Ferro também é uma das mais visadas pelos traficantes e caçadores. O pássaro é um dos que mais movimenta o tráfico (para alimentar o mercado ilegal).

Nós, como amantes da fauna brasileira (e principalmente dos passeriformes) devemos repudiar o comércio ilegal de aves. Isso é crime e fere mais do que as leis brasileiras: fere a liberdade dos pássaros nascidos na natureza.

Nosso compromisso deve ser de reproduzir o Trinca Ferro em cativeiro, oferecendo espaço, amor, dedicação, boa alimentação e respeito. Aves são criadas por Deus e merecem nosso cuidado.

Há quem vá dizer que aqueles que realmente amam as aves deveriam soltá-las. A estes nós dizemos:

"Ave nascida na natureza não deve ser engaiolada. Quem faz isso está cometendo um crime (além de estar fazendo uma maldade)."

"Ave nascida em gaiola não deve ser solta. Ela não irá sobreviver. Quem solta a ave não está cometendo um crime (mas está fazendo uma maldade)."

Por estas razões nós devemos rejeitar atos de pessoas que pegam pássaros na natureza. Não devemos NUNCA comprar aves de procedência duvidosa. Não devemos NUNCA comprar aves sem anilhas, que não tenham sido geradas em criatório comercial ou na casa de um criador amadorista (com o devido anilhamento).

Também devemos cobrar seriedade dos órgãos que regulamentam a criação de aves silvestres, pois eles mesmos devem estar sempre dando exemplo aos criadores, sendo os primeiros a zelar pela saúde dos animais e pela proteção da fauna.

Fonte: www.clubedocriador.com / www.coleiro.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...